Aventure-se comigo...

Aventure-se comigo...

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

DESCE A MARRETA!

Eu não consigo compreender essas pessoas que têm duas caras.
Uma hora elas são m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-a-s, na outra são o cão chupando manga.
Em um momento te amam, no momento seguinte, viram inimigos figadais.
Dá medo! Eu já cansei de me relacionar com pessoas assim, hoje fujo desse tipo assim que percebo essa inconstância.
Há 6 meses, aluguei a casa onde eu morava (casa da minha família, onde eu nasci), para a minha cabeleireira. Ou melhor dizendo, ex-cabeleireira... Essa louca entrou no imóvel em um dia e no outro mandou marretar tudo que era parede. 
Foi um tal de abrir porta pra cá e prá lá. E as portas que existiam... ela mandou fechar!

Arrancou pisos de mármore para colocar cerâmica da mais barata. Quase enfartei quando descobri que ela havia arrancado um piso de madeira maciça, de Ipê, daqueles que custam uma fortuna, colocado há poucos anos (que eu fiquei pagando parcelado durante meses), para colocar... adivinhe? c-e-r-â-m-i-c-a. 
Meu jardim, que era meu xodó, virou um matagal. Chorei quando vi plantas que eu cuidei por mais de 10 anos, mortinhas da silva. Secas, irrecuperáveis.
Aluguei a casa para essa doidivana por acreditar que, por ser uma pessoa conhecida, cuidaria melhor do imóvel. Ledo engano...
Depois de detonar o local, ela resolveu devolver o imóvel, 6 meses após o início do contrato de locação -cujo prazo seria de 3 anos.
E o pior, com a cara deslavada, ela disse que não iria pagar multa nem iria fazer os reparos necessários.  Entregou a casa imunda, meu nome foi inscrito na SERASA pro falta de pagamento da conta de luz que ela não pagou e eu pouco pude fazer em relação a essa maluca.

Contratei uma advogada, ajuizamos uma ação e para complicar mais um pouco, o Judiciário paulista está em greve.

Nunca fui favorável da teoria de "fazer justiça com as próprias mãos", mas nesse caso, juro que abriria uma exceção. No entanto, como o meu bom senso ainda prevalece, só me resta sonhar que estou com uma marreta arrebentando todas as paredes do novo salão que ela inaugurou. Por via das dúvidas, mantenho uma marreta no meu carro, quem sabe um dia surge uma oportunidade...


Com "amigos" assim, quem precisa de inimigos?





Um comentário:

Dama de Cinzas disse...

Que mulher doidaaaaa! Fazer tantas modificações num imóvel que não é dela, já demonstra desequilíbrio! Olha eu dou a favor de fazer justiça com as própias mãos... Dá uma ajudinha pra Deus, né? rs

Beijocas