Aventure-se comigo...

Aventure-se comigo...

sábado, 28 de maio de 2011

SÓ QUEM TEM É QUE SABE O QUE É...


Existem experiências na vida que, somente quem passou por elas, é capaz de avaliar a intensidade de alegria ou sofrimento que elas causam.
O exemplo atávico dessas experiências é o nascimento de um filho. Apesar de eu não ter filhos, sei que  é um divisor de águas na vida de qualquer ser humano. 

A minha experiência mais intensa foi conviver durante muito tempo com a Síndrome do Pânico. E, a exemplo do nascimento de um filho, só quem vivenciou é que pode – e tem o direito – de avaliar o que é. Sim, pois quem nunca passou pelos sintomas e restrições que esse quadro oferece, costuma minimizar o sofrimento de quem é portador desse transtorno.
Alguns dizem que é frescura, outros acham que com "força de vontade" a pessoa conseguiria superar suas dificuldades causadas pela doença. Muita gente já me falou que o pânico nada mais é do que uma maneira de "chamar a atenção", carência e outra mer*&#@ .

Eu tinha 7 anos de idade quando os primeiros sintomas se manifestaram. Imagine isso, na década de 70, quando todo e qualquer comportamento fora do normal era considerado doença mental, loucura.
Seria eu louca? Eu tinha tanto medo do meu medo, que não compartilhava com outros o que eu sentia, a não ser meus pais. E estes, por desconhecimento, achavam que era frescura mesmo. Eu ainda levava bronca e era tratada com desdém quando manifestava meu medo de ficar sozinha, meu medo de morrer ou medo do medo...

Felizmente, com o passar dos anos, essa angústia foi diminuindo e inexplicavelmente o pânico foi se aquietando. Mas ele estava latente... na minha adolescência, aos 15 anos, ele voltou. A crise da adolescência misturou-se ao transtorno do pânico, mas eu pude compartilhar minhas angústias com algumas poucas amigas. Descobri que elas, também, tinham alguns medos inexplicáveis, apesar de se manifestarem em uma proporção infinitamente menor do que os meus. Mas essa descoberta aliviou o meu maior pavor: o de eu não ser uma pessoa normal, de ser portadora de uma loucura que eu deveria disfarçar e esconder das pessoas, para poder ser aceita.

Passado  o auge da adolescência, novamente e milagrosamente, o meu transtorno regrediu e foi justamente na fase em que eu ingressei na faculdade de Direito. Aos 17 anos eu fui aprovada nas 3 melhores faculdades de Direito de São Paulo. Obviamente, escolhi a Faculdade de Direito Universidade de São Paulo, conhecida como São Francisco. Foi um sonho realizado e um banho de auto-estima.
Nesse período, que durou 5 anos, a vida resolveu me dar uma folga e disse: vá ser feliz! Eu aproveitei, viajei, namorei, me apaixonei, fui livre como eu sempre sonhei ser. Trabalhava, tinha meu dinheiro, estudava à noite, já era dona do meu nariz.
Ao final dos anos 80, o pânico voltou. Eu estava dirigindo em uma estrada, sozinha, rumo ao litoral. No meio do caminho, ele voltou. Fiquei apavorada no meio do nada, longe da cidade, sentido-me frágil, insegura, sozinha, sem opção a não ser seguir em frente ou voltar.

Estava instalado o medo de viajar sozinha. A primeira limitação que surgiu. E outras vieram em sequência: medo de lugares fechados (ir ao cinema passou a ser uma tortura), medo de ficar presa no trânsito, estar longe de casa, qualquer situação na qual eu não pudesse fugir, no momento em que eu desejasse. Na cerimônia do meu casamento, rezei o tempo todo para que não me desse uma crise e eu tivesse que sair correndo do altar. 

E não precisava ser um lugar fechado, bastava eu me sentir em uma situação na qual eu não conseguiria sair do local sem chamar a atenção das pessoas.
Na época eu dava aula, meu coração ficava disparado o tempo todo, com medo de me dar um piti e eu ter de sair da sala – o que pensariam os alunos??
O cérebro começa a pensar em mil coisas, parece que ele é seu pior inimigo, que está te sacaneando 24 horas por dia! Sim, pois muitas pessoas têm crises de pânico quando estão dormindo!

Procurei médicos, terapeutas, na sua maioria profissionais despreparados, alguns picaretas.
A primeira psicóloga que eu procurei quis me tratar com Florais de Bach. Talvez isso possa funcionar quando o paciente está um pouco ansioso, mas, definitivamente, jamais deve ser considerado um tratamento para um paciente que apresenta sintomas severos de Transtorno do Pânico. 
Sou totalmente contra profissionais que usam tratamentos alternativos para tratar doenças sérias e debilitantes e tenho motivos para assim pensar.

Por isso, digo com conhecimento de causa: quando alguém tem uma doença, deve procurar um médico sério e deixar essas terapias alternativas apenas como um complemento ao tratamento médico. Perdi tempo, dinheiro e, principalmente, perdi a fé de um dia me curar, depois de passar por pelo menos uns 10 profissionais, entre médicos, psicólogos, sem resultado.

Cheguei a um ponto em que meu transtorno de pânico tornou minha vida um inferno, eu já não conseguia sair de casa, tinha medo praticamente o dia todo,com aquela sensação de algo muito ruim iria acontecer no próximo instante, não conseguia trabalhar. Eu estava no fundo do poço. Só tinha forças para mais uma tentativa. 

Descobri um site na internet, em 2003. Comecei a ler os relatos dos pacientes, as respostas do médico responsável pelo site, descobri que o que eu sentia era igual ao que milhares de outras pessoas sentiam, também.
Descobri que o Transtorno do Pânico é uma doença, assim como o diabetes, as doenças na tireóide, enfim... é uma doença física, cujos sintomas são psíquicos.
O cérebro é um órgão como outro qualquer do corpo humano, porém, quando existe algum problema funcional no cérebro, ao invés de se sentir dor, inchaço, febre, ou qualquer outro sintoma físico, o nosso psicológico é que apresenta alterações. 

Os pensamentos ficam desordenados, e causam um tremendo mal estar. Tudo isso causado por um DESEQUILÍBRIO DOS NEUROTRANSMISSORES.
O melhor de tudo: isso tem cura – ou, na pior das hipóteses, tem tratamento que controla todos esses sintomas desagradáveis.
Existe um indevido preconceito em relação aos medicamentos para tratar muitas dessas doenças. Muitos erroneamente acreditam que os antidepressivos são remédios perigosos, que causam dependência e deixarão a pessoa "grogue", diferente do seu estado normal.
ERRADO! Os antidepressivos não causam dependência, não da forma que os benzodiazepínicos causam (os famosos calmantes). Os antidepressivos têm a função de normalizar os níveis de neurotransmissores do cérebro. Assim como a insulina normaliza a glicose no sangue. 

Os antidepressivos de última geração praticamente não apresentam efeitos colaterais, eu faço uso há 8 anos do mesmo medicamento, minha médica monitora todas as minhas funções orgânicas por meio de exames anuais completos. Faço exames para avaliar fígado, estômago, coração, rins, enfim, check up geral, os medicamentos não causam nenhuma alteração fisiológica no meu organismo. 
O único sintoma que eu tive foi uma melhora considerável no meu humor, na libido, na ansiedade.

No meu caso, devido à demora em buscar um tratamento adequado (foram mais de 10 anos), o transtorno do pânico se tornou crônico, por isso, provavelmente terei de tomar remédio por muito tempo, mas eu convivo perfeitamente bem com isso. Não tenho sintomas, ainda evito certas situações (avião, lugares fechados), mas minha qualidade de vida melhorou 99%.

Eu cresci e amadureci com essa doença. Passei a ser tolerante com as dificuldades dos outros. Tornei-me mais forte – não é fácil conviver com os sintomas, exigia de mim força e determinação para não deixar a peteca cair!

Resolvi deixar aqui este relato, para ajudar pessoas que sofrem com TOC, depressão, transtorno bipolar, ansiedade e outras doenças que se tornam cada vez mais comuns em nossos dias.
Para aqueles que desejam saber mais sobre o assunto, acessem o site www.mentalhelp.com.br
Ali você encontrará explicações sobre vários transtornos, relatos de pessoas e seus familiares que convivem com essas doenças, informações a respeito de tratamentos, medicamentos e, acima de tudo, espero que as pessoas encontrem ali a esperança que eu encontrei. Foi por meio deste site que eu conheci minha médica, a quem eu agradeço todos os dias por ter me ajudado a voltar a viver.

6 comentários:

Dama de Cinzas disse...

Pois é, Cristine, sei que qualquer doença psicológica ainda é olhada com muito preconceito. Acham que a pessoa é fraca e tal.

Eu tenho a minha também, um disturbio de humor, que me atormenta todos os dias, apesar de medicada. Quem sabe um dia faço um post sobre isso.

Quanto a síndrome do pânico, desde muito nova, convivi com pessoas que tinham essa doença, e sei o sofrimento por que passam. Naquela época não tinha nome, chamavasse de palpitação, crise de ansiedade, dentre outras coisa. Gosto quando nomeiam algo, porque passam a dar mais atenção ao caso.

Tenho uma amiga blogueira que está passando por isso e sofrendo, vou mandar ela pra cá ler ser post, quem sabe possam trocar experiências...

Beijocas

Cristine disse...

Dama, dia a sua amiga para entrar em contato por e-mail, depois de tantos anos tornei-me "expert" no assunto. Talvez eu possa ajuda-la a evitar alguns micos que passei com médicos picaretas.O e-mail cristine.sampa@hotmail.com
Beijos.

P.S. Para quem mais quiser entrar em contato, fiquem à vontade.

Raquel Vitoriano disse...

Hahahaha!
Eu passei anos achando que não prestava pra naaaaada, porque simplesmente me recusava a crer que eu podia ter algo, afinal sou de uma família de céticos e pessoas despreocupadas.
Depois da vida toda me chamando de lerda, de q eu ñ usava a minha inteligência ao meu favor, q eu era pavio curto, descobri que tinha TDAH e sabe porque? Porque cheguei num estado que eu ñ desligava mais nem pra dormir, q já estava largando a 3° faculdade. Agora vem aceitar a medicação e terapia semanal. E como é dificil falar e explicar o que se passou tantos anos e porque eu estou em determinado ponto. hauahuahuahuah. Mas eu vou levando e tem sido duro, mas tenho enfim ido em frente. =D
Mas ñ imagino vc com sindrome do pânico. rsssss.

Me identifiquei muito com a parte descobrir q tem algo errado e ñ saber o q é. E tentar ser o mais normal possível e esconder por medo de ser tachada. hauahauhauhau

Edney disse...

Realmente, só quem tem ou teve síndrome do pânico sabe o que é. Não adianta tentar explicar para quem nunca teve, sempre vão achar que é bobagem, frescura como você mesma disse. Eu fui direto ao psiquiatra, foi o que me ajudou a enfrentar a dificuldade de fazer apresentações de trabalho. Se não fosse o tratamento tinha desistido do curso e teria perdido um monte de oportunidades, inclusive meu doutorado. Legal seu blog. Abraços.

byClaudioCHS disse...

Medo...
Vontade de dar um grito,
ou calar-se para sempre
De ficar parado, ou correr
De não ter existido
ou deixar de existir (morrer)
Não há razão quando a mente não funciona
(redundante, não?)
Vão extinguindo-se as questões
mesmo sem respostas
Perde-se, neste estágio,
a vontade de saber.
O futuro é como o presente:
É coisa nenhuma, é lugar nenhum.
Morreu a curiosidade
Morreu o sabor
Morreu o paladar
parece que a vida está vencida
Tenho medo de não ter mais medo.
Queria encontrar minhas convicções...
Deus está em um lugar firme, inabalável,
não pode ser tocado pela nossa falta de confiança
Até porque, na verdade, confio nele
O problema é que já não confio em mim mesmo
Não existe equilíbrio para mentes sem governo
A química disfarça, retarda a degradação
mas não cura a mente completamente
E não existem, em Deus, obrigações:
já nos deu a vida, o que não é pouco,
a chuva, o ar, os dias e noites
Curar está nele, mas, apenas retardaria a morte
já que seremos vencidos pelo tempo
(este é o destino dos homens)
e seremos ceifados num dia que não sabemos
num instante que mira nossa vida
e corre rápido ao nosso encontro lentamente
(ou rasteja lento ao nosso encontro rapidamente?)
Sei lá...
Mas não sei se quero estar aqui
para assistir o meu fim
Queria estar enclausurado, escondido...
As amizades que restam vão se extinguindo
e os que insistem na proximidade
são os mesmos que insistirão na distância,
o máximo de distância possível.
A vida continua o seu ciclo
É necessário bom senso
não caia uma árvore velha, podre, sobre as que ainda estão nascendo.
Os que querem morrer deixem em paz os que vão vivendo
Os que querem viver deixem em paz os que vão morrendo
Eu disse bom senso?
Ora, em estado de pânico não se encontra bom senso
nem princípios, nem razão, nem discernimento,
nem força alguma
Torna-se um alvo fácil
condenável pelos que estão em são juízo
E questionam: onde está sua fé?
e respondo: ela estava aqui agora mesmo...
ela não se extingui, mas parece que as vezes se esconde de mim...
o problema é que, quando a mente está sem governo
(falo de um homem enfermo)
é como um caminhão que perde o freio
descendo a serra do mar...
perde-se o contato com a fé e com tudo o que há...
e por alguns instantes (angustiantes)
não encontramos apoio, nem arrimo, nem chão, nem parede, nem mão...
ah... quem dera, quem dera...
que a mão de Deus me sustente neste instante...
em que viver é tão ou mais difícil que conjulgar todos os verbos...
porque sou, neste momento
a pessoa menos confiável para cuidar de mim mesmo...
tenho medo, medo...
medo de perder o medo
de sair da vida pela porta de saída...
medo de perder o medo
de apertar o botão "Desliga"...

http://progcomdoisneuronios.blogspot.com

.

Anônimo disse...

pois é , engraçado, eu tive início as crises aos 7 anos, na década de 80. passou e retornou aos 15 também... foi horrivel demorei muito tempo pra descobrir oq era, abandonei a faculdade de direito pois não conseguia ficar inerte em uma sala de aula, procurei uma médica psiquiatra que me deu a luz novamente , ja tomo medicamentos a uns 15 anos e como vc vivo 99 por cento, engraçado , parece que vc relatou minha história, vc descreveu muito bem oq e o TP... parabéns. donbanali@gmail.com