Aventure-se comigo...

Aventure-se comigo...

sábado, 14 de janeiro de 2012

A METADE DA LARANJA NÃO EXISTE!

Melhor do que estar apaixonado, é não estar apaixonado. Aí tem uma pegadinha...
O ser humano é meio masoquista, convenhamos. Gostamos de complicar, se é fácil não tem graça. Então, a pessoa (homem ou mulher) está sozinha, começa a dar um comichão pra encontrar alguém, a famosa "metade da laranja", tampa da panela, alma gêmea, ou qualquer denominação que se dê ao coitado (ou coitada) que terá a responsabilidade de nos fazer feliz. 

Acontece, caro leitor, que tão certo quanto Papai Noel não existe, tampouco existe o principe ou a princesa que irá preencher nossa vida, mesmo que no começo do relacionamento aquela pessoa pareça ser "encantada".
Olha... não é, viu? Desculpe destruir sua ilusão, mas quanto antes te deres conta que não existe pessoa no mundo capaz de te fazer feliz, melhor.

Sabe por quê? É simples: somente nós mesmos é quem temos esse poder, cada um é responsável pela sua própria felicidade. Não adianta querer jogar a batata quente no colo do outro!
Bahhh, mas que coisa chata, a vida fica mais árida quando deixamos de acreditar em contos de fada.

Por isso que eu disse que tinha a "pegadinha" - é bom estar apaixonado, pois nesse período de apaixonamento, esquecemos do que é real e passamos a acreditar na fábula. Sentimos aquele friozinho na barriga -uiiii... O coração dispara quando a pessoa liga, ou aperta quando ela não liga.
Mas aí já sabe, né? Um dia vai cair a ficha e você vai se sentir igualzinha aquela criança que você foi um dia, e da decepção que você sentiu quando descobriu que Papai Noel não existe, nem cegonha, que o Pernalonga é só um desenho, que o Garibaldo é apenas um homem fantasiado de pássaro.

Então, às vezes penso que é melhor já pular essa fase e nem se apaixonar. Pronto, é mais prático. Para os mais filosóficos, posso fundamentar essa tese com os ensinamentos de Buda, segundo os quais a origem dos nossos problemas e sofrimentos está no apego, no DESEJO. Se você consegue superar o desejo e praticar o desapego, você consegue atingir o nirvana. Eita, parece bom, né? 

Honestamente, os momentos mais felizes da minha vida foram divididos igualmente entre aqueles em que eu estava apaixonada e os que eu estava zen, na boa comigo mesma, sem envolvimento com  "boniton" algum. Paradoxal, não?
A vida é feita de escolhas e essa é uma escolha difícil, precisa ter disciplina, força de vontade e uma boa dose de coragem. Seja para escolher abrir seu coração para alguém, seja  decidir viver sem desejo e apego (sexo pode, tá? a ciência já provou que sexo faz bem para a saúde, para a mente, não vamos forçar a barra e querer virar monge budista).

(estou pensando pensando com meus botões que deve ter homem lendo esse texto e adorando, achando a perfeita justificativa para sair transando com todas as mulheres, sem compromisso. Mas, olha só, você também um dia vai se apaixonar, vai sentir falta de ter aquela pessoa especial ao seu lado e vai se ferrar, igualzinho o resto da humanidade, viu?)

O tempo vai passando e, inevitavelmente, amadurecemos, seja por bem ou por mal.   O sexo casual vai perdendo a graça e, ao mesmo tempo, fica mais difícil nos apaixonarmos. 
À medida que envelhecemos, ficamos mais rabugentos e individualistas e muito menos pacientes. A toalha molhada em cima a cama passa a irritar muito mais, assim como a calcinha pendurada no box do chuveiro. Você quer assistir filme e seu companheiro quer ver novela, ou vice-versa. Você passa a sonhar em estar sozinho(a) em casa e poder escolher os canais da TV t-o-d-a-s as noites. E soltar pum à vontade sem ouvir reclamação. E deixar roupa espalhada pela casa, louça suja na pia... ou, ao contrário, ver sua casa sempre limpinha sem aquela pessoa sujando e bagunçando tudo o tempo todo.

Mas aí tem o inverno, é gostoso dormir juntinho de conchinha no frio, ter alguém para preparar uma sopa quando você está com gripe.

Vixii, é muito complicado escolher. Aprendi que toda escolha tem um bônus e um ônus. A felicidade, talvez, esteja na decisão sábia de escolher o lado da balança com mais bônus, não olhar para trás e rezar para termos feito a escolha certa.

15 comentários:

Paulo Tamburro. disse...

CRISTINE,

sou seu mais novo seguidor.

Sabendo que é advogada, considere-me seu cliente.

Pretendo ajuizar uma ação na vara especial do bom senso afetivo-emocional, cuja modernidade dos hábitos e costumes sociais contemporâneos do relacionamento homem e mulher estão mandando para o brejo.

E tenho que ser objetivo:

Eu aredito em Papai Noel, na Cegonha, que pernalonga não seja
só um desenho e Garibaldo,é realmente, uma homem pássaro.

Cristine, se houver necessidade
de minha crença inabalável nestes ícones lúicos citados por você,creia que,exatamente como
como já dizia Nelson Rodrigues, as terei, pois para ele:

"Se as minhas razões não
corresponderam a realidade então,que se dane, esta tal da realidade.

E isso porque, não abro mão de no frio , calor, chuva ou geadas, abrir poder dormir de conchinha coma minha companheira.

Nossa, é tudo de bom!

Porém,esta maravilhosa, simples e aconhegante posição apaixonada,e jamais pensada por aquele chato malababarista do sexo,Kama Sutra, tem sido muito dificultada pelas
atuais exigências das mulheres em relação as complexidades que elas hoje admitem, poderem cobrar dos homens depois de lerem tantos tratados e compêndios sobre as conquistas sexuais das mulheres globalizadas.

Cristine,quando uma mulher me pede para encontrar-lhe o Ponto G, sinto-me fazendo sexo em Braile,e nunca o encontrei!

Já que nunca encontro ela pede para tentar que encontre então,
seu ponto K que fica acima do Ponto G, ou seja,para mim em lugar nemhum , pois a referência mencionada é inútil.

E lá vem aquelas "preliminares" intermináveis que as mulheres pós-escravidão sexual exigem e que podem demorar uma eternidade e exigem de mim o fôlego de um autêntico bufalo no cio.

Menos, por favor!

Quando penso que livrei-me do mal e amém, vem aquelas solicitações para que lhes porporcione múltiplos orgasmos, ou seja elas querem começar a ter orgasmo agora e amanhã ainda estarem gemendo verdadeiramente, seus :ai, ai, ui,ui!

Isso me revolta Cristine, porque eu para ter um só orgasmo tenho que fazer das tripas o coração como diariam os antigos e elas agora querem múltiplicos, multiplicados a enésima potência,
de uma potência que juro que não tenho!

Eu tenho um orgasmo e haja fôlego para o segundo.

Só pode ser para me sacanear que leas pedem múltiplos!

E quando penso que vou finalmente, dormir aconchegado na posição extasiante da conchinha, eis que ela resolve perguntar, se"foi bom pra mim"....

Como assim, se foi bom pra mim?

Não estou nem ai e já pensando no ficar bom na outra, ai não respondo
ela faz beicinho e vem com aquela nova tragédia do tempos modernos, resumida nesta frase fatídica:

-Amor, precisamos descutir nossa relação.

Agora?

E a posição da conchinha foi para o brejo,esta vendo?

Portanto, vou entrar e com a sua ajuda peofissional,com uma ação junto ao universo feminino, pedindo o retorno das antigas práticas afetivo-sexuais entre homem e mulher, para restabelecermos, aquilo que dá nome a um dos meus blogues, além o HUMOR EM TEXTOS e que é o:

"COMO ERA FÁCIL FAZER SEXO".

Podemos agendar uma consulta para quando?

Um abração carioca.

Cristine disse...

Querido Paulo, não precisa muito para perceber que você é apaixonante. Adoro seus textos, seus blogs são imperdíveis. Conte comigo para processar "deus e o mundo" pela volta da simplicidade nas relações e pelo direito de dormir de conchinha sem culpa! Seja bem vindo e comente sempre, você enriquece meu espaço. Beijosss

Celamar Maione disse...

Cris,
de fato, é muito complicado escolher.
Não sei o que é pior : Se apaixonar e perder ou não conseguir se apaixonar. Sentir que não vale a pena.
Que sexo casual é bom demais.Cansa ? Sim, cansa. Mas o que não é cansativo ?
Um dia amamos muito uma pessoa. No outro dia, o amor se perdeu.
O bom é viver sem pensar muito. Pois se na verdade, pensarmos muito, tudo tem o seu lado bom e o seu lado ruim.
Que tal viver os dois lados ?

Gostei da sua participação no meu blog.

Abs e bom final de semana

vannybraga disse...

Gostei muito do seu texto... estou na fase "sexo casual é chato", mas ao mesmo tempo não sei se quero ter que abrir mão da minha individualidade, mas também sinto taaaaanta falta daquele abraço... de uma pessoa que me faça cafuné e me beije como se não houvesse amanhã...

Bem confuso mesmo...

Fabio Oliveira disse...

O amor é "trabalho". Não é "de graça"...e nem "pagamento" pelo bom comportamento.
É continuar fazendo as coisas que faziam quando se encontraram...aqueles cuidados todos...e ir somando coisas boas...e não substituindo.
Viver junto é que é bom e não precisa abrir mão de quase nada.

Cristine disse...

Querido Fabio, só de ler "amor é trabalho" já me cansa.Quero um amor que seja leve, que a dedicação seja natural, mas eu entendo o que vc quis dizer. Existe uma palavra em inglês que traduz isso: "commitment". Em português seria o equivalente a compromisso, mas em inglês tem uma conotação mais profunda, uma mistura de compromisso com responsabilidade e empenho.
Beijosss (esse é meu corretor de seguros, genteee, nota 10!)

DoNNaNet disse...

Me interessou muito esse texto pela situação que estou passando referente a relacionamentos... Estou com uma mulher 12 anos mais nova e está sendo uma experiencia intrigante/trágica/estressante/divertida e apesar dos meus 32 anos, tentei duas vezes levar outros relacionamentos até o matrimônio sem sucesso... Um não deu certo por causa de religião (Eu católico, fui trocado pela Universal) e o outro foi uma pessoa que conheci pela net e saí de SP para conhece-la em Sergipe (uma bela tragicomédia... rsrs). Também acho que tanto Papai Noel, Coelho da Páscoa, Rubinho no pódio e Amor não existem...

Cristine disse...

Caro Don,
É um prazer ve-lo em minha página, gosto muito do seu blog. E seu comentário me deixou curiosa a respeito da sergipana que o fez viajar tão longe, para viver uma tragicomédia. Espero que seu atual relacionamento seja menos estressante e mais divertido. Pode até não existir Papai Noel ou, como b em lembrado por você, Rubinho no pódio... mas quem disse que não pode ser divertido? Boa sorte!!

Um brasileiro disse...

Oi. EStive aqi dando uma olhada. Muito legal. Apareça por la. Abraços.

Lola - a racional disse...

Ahhhhh, o amor e a paixão...
Tanto se discute e se fala..
O fato é que sucumbimos sempre.
Acho que a questão do "abrir mão" seja relativa, diferente em cada relação.
Lembra o ditado "Não há vilão sem vítima!"?
Pois é.. o amor não nos submete, nós é que nos jogamos aos seus pés. Essa submissão vai de cada um...
A idade não me levou a paixão. A idade me trouxe foi a capacidade de enxergar bem o que me afeta o afeto.
Se a gente se apaixonar por gente ao invès de sonhos e se essa gente nos ver como gente também... Paraíso!
Eu gosto de amores assim, sem calafrios e dores de barriga.. gosto dos amores pacíficos, harmoniosos. Já mordi maçãs diferentes, mas essa é que mais me agrada...

Patricia Pinto disse...

Fiz um comentário e na hora de publicar deu erro porque minha internet está uma bosta!!
Então vou comentar de novo... hehehe!!
Agora eu esqueci o que escrevi, mas era mais ou menos assim: acho que amadurecer nos deixa mais seguros das nossas escolhas.
Não estou fechada para relacionamentos, mas estou confortável com a escolha atual que é ficar só!
Obrigada pela visita, eu adorei seus posts, vim aqui umas 3 vezes e só hoje comentei...
Beijos!!

Suellem Brasil disse...

Sempre é bom ler o que você escreve, pois é fruto de experiência e sabedoria.
O destino decide quem entra nossas vida. Mas as atitudes decidem quem fica.
Bjs.

Cristine disse...

Suellem, você sempre tão gentil... Beijocas

DoNNaNet disse...

Então Cristine... Eu sempre leio suas postagens mas sou meio tímido pra comentar... rs.. Essa postagem de fato me chamou a atenção!! E referente ao meu blog, coitado... Eu escrevia duas vezes por semana quando era o antigo, no msn spaces... Agora ando beeeem sem criatividade... rsrs
Ahh.. e referente a minha tragicomédia amorosa, estou preparando pra tí um "livro" com toda esta hilária história, prometo q te entrego até o final de semana.. rsrs.. Bj.

Cristine disse...

Olá, Don, estou aguardando ansiosamente...rs Se preferir mandar a história por e-mail, anote aí:
cristine.sampa@hotmail.com
Se quiser sugestões sobre tópicos para o seu blog, posso te dar algumas sugestões. Mulheres são sempre curiosas sobre o universo masculino.
Bjs