Aventure-se comigo...

Aventure-se comigo...

domingo, 17 de maio de 2009

PRECONCEITO É O "Ó" DO BOROGODÓ...

Uma amiga, que vou chamar de Lola, foi localizada no Orkut por uma antiga colega de faculdade, daquele tipo efusiva e um tanto quanto "patricinha". Aliás, ela será assim denominada, doravente: Patrícia. Eis que ao localizar Lola no Orkut, Patrícia passou a assediar-lhe com mensagens "pseudo-íntimas" do tipo "Oi linda!! que saudades de vc!! soube que estava na Europa, ai que chique! me add?? te adoro"....
Pois bem, Lola não a adicionou, fez cara de paisagem, como se não tivesse visto o recado e, opssss, deletou. Não sei por que, mas gente chata costuma ser insistenteeeeeee...
Scraps de Patrícia começaram a invadir o perfil de Lola :"Oi linda, que saudades! Lembro da nossa época de faculll era maaaara"
"Linda, passa seu telefone"; "Fofa, vamos marcar um choppinho?".
Lola, fingia-se de morta e não respondia, afinal, sequer amigas eram.

Porém, como o destino é cruel, Lola estava com a sogra no supermercado e quem encontra??? SIM!!! A dita-cuja!!! ( Agora, cá entre nós, não sei o que é mais mala, encontrar a tal Patrícia ou sair com a sogra para ir ao mercado - enfim...)

- Lolaaaaaa!!! Oi amigaaaaaaaaaa!! grita Patrícia com aquela voz esganiçada, inconfundível. E desandou a contar detalhadamente toda a sua vida.
Após minutos intermináveis que pareciam horas, Patrícia despede-se, mas não sem antes alardear a abertura de seu novo atelier, deixando 3 convites para o coquetel de inauguração.

Eis que, no dia da famigerada inauguração, o celular de Lola toca logo cedo. Adivinha quem era? Sim, Patricinha!!!
Lola a atendeu entre surpresa e irritada (não sabia que a sogra tinha passado o número para aquela mala sem alça). A tagarelice dela tirava a concentração mental de qualquer cristão, com insistentes pedidos:
- Você vai, né Lola? ah, vai sim! minha mãe quer te ver.. vaiiiiiiiiiiiiii ... pleeeeaseeeee!!
Ao todo foram NOVE telefonemas no decorrer do dia. Até que, vencida pelo cansaço, Lola cedeu -justo ela, que odeia festas e badalações.
No convite estava escrito: "traje esporte-chique". Fala sério, coisa de socialite de cidade do interior, fazer um coquetel de inauguração e exigir dos convidados irem todos engomadinhos, que porre...
Lola é uma rebelde, digamos assim. Não gosta de rótulos e imposições sociais, mas para a ocasião resolveu ser sensata na escolha. Aprumou-se em seu jeans-reto-escuro-neutro-sóbrio-chique, com um tomara-que-caia em tons de vermelho escuro, em tecido meio aveludado. Visual nada exagerado, mas moderno. Sapato de salto, unhas vermelhas (de praxe), cabelo arrumadinho. Vale ressaltar que Lola é linda até vestida com um saco de farinha. Linda mesmoooo, pele de porcelana, carinha de menina, uma boneca.

Lá foram eles, Lola e o maridão, pau pra toda obra, no bom sentido...rsrs... Esse topa qualquer programa de índio com bom humor.
Chegando lá, avistaram a fauna: os pseudo-intelectuais, os artistas, a imprensa e a família da moça...
Quando a mãe de Patrícia viu Lola, empalideceu. Caminhou em direção de Lola com uma cara de assustada e perguntou:
- O que aconteceu com vc?
- Boa noite pra senhora também - respondeu Lola. Como assim, o que me aconteceu?
- Você caiu na vida?? perguntou a megera.

Opa...cair na vida pode ter tantos significados... pode ser cair ao pé da letra, ou ter se dado mal na carreira, ter perdido o emprego. Mas acho que ela se referia a Lola ter virado PUTA mesmo.
Aí o maridão entrou em cena, se apresentando:
- Boa noite, eu sou o Ric, marido da Lola e garanto pra senhora que ela não caiu em lugar nenhum - disse ele com seu jeito brincalhão.
Sem responder, a talzinha foi se afastando com a mão na cabeça.

Ato contínuo, vem a Patrícia em direção ao casal, com cara de envergonhada e contrariada.
- Lola, por que você veio assim? perguntou ela.
- Assim como?
- Assim... com todas as tatuagens à mostra? Minha família está aqui!!!
Lola parou, pensou... e respondeu:
- Olha Patricia, só se eu cortasse meu braço fora e, sinceramente, sua família não vale tanto sacrifício. E nem estou com todas à mostra, ainda falta a da perna!!
- Poxa, Lola - choromingou PAtrícia - eles estão me questionando!!! Perguntando se costumo ter amizade com "esse tipo de pessoa".

Tipo de pessoa???????? Foi então que o maridão (aquele bem humorado, que nunca briga com viv'alma) entrou na conversa:
- Escuta, moça... Você pode andar por aí assim, mostrando seus seios (ela estava com blusa mega decotada) e de saia transparente, mesmo estando bem acima do peso e minha mulher não pode mostrar os braços e ombros por que são decorados? Acorda, fia!

O clima ficou estranho. Lola nunca pensou que alguém pudesse se incomodar tanto por conta de suas tatuagens. Especialmente em um atelier de arte, onde as pessoas supostamente seriam antenadas e alternativas.

Estranhamente, tanto a anfitriã quanto sua irmã trajavam roupas provocantes, transparentes, sem que comoção alguma causassem. No entanto, só por que uma pessoa é relativamente diferente e, supostamente, não está dentro do conceito do que "eles" julgam ser o certo, é tida como marginal, PUTA?

O bom da história é que Patrícia nunca mais procurou por Lola. Perdeu a chance de ser amiga de alguém especial, íntegra, politicamente corretíssima, humana, solidária. Enfim... bela, em todas as acepções da palavra.



3 comentários:

Dama de Cinzas disse...

Que coisa hein?

Lola não perdeu nada, com o mundo todo se tatuando, vivemos numa época em que a tatuagem já perdeu o estigma de ser coisa de pessoas marginalizadas...

Eu já fiz uma bem visível num ombro e vou fazer outra no outro, quem não me quiser por conta das tatuagens, simplesmente não deve ser alguém que me interesse... rs

Beijocas

Anônimo disse...

Lola tem que mandar essas "pseudo-amigas" às favas.... kkkkkkkkkkk

Adoro seus textos, dou muitas gargalhadas cada vez que entro no seu blog!! = )

Beijão!!!! = )

Lu ;- )

Anônimo disse...

...

Que cena!


Ronaldo!