Aventure-se comigo...

Aventure-se comigo...

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Amores Virtuais...

Somente quem nunca conheceu esse mundo maravilhoso da net é que acha graça e faz pouco das histórias de amor virtual. Todos conhecem alguém ou já ouviram falar de fulana que conheceu um cara na net... e eles estão namorando, ou casaram, ou ainda...ela foi abduzida por um maníaco! Sim, porque histórias trágicas também não faltam. Mas creio com sinceridade que se elas existem são a minoria e mesmo essas são o que podemos chamar de "lendas urbanas" (como aquela do fantasma da loira com algodão no nariz que apavorava as crianças na década de 70 nos banheiros de escola...cuidado com a loira!!)

Romances virtuais, a despeito dos céticos, existem. E os casais vão bem... obrigada!

O primeiro caso bem sucedido que eu conheci (se é que posso considerar bem sucedido) foi de um amigo da faculdade. Um advogado brilhante. O Maurício, Inteligente como só ele. Falava alemão, francês e inglês fluentemente. O cara aprendia tudo com uma facilidade de dar inveja!

Na época em que eu nem sabia ligar um computador, ele já tinha o seu, aqueles primeiros cujo monitor era verde, nem existia Windows ainda, tudo era em DOS

Ele foi um dos primeiros a se aventurar nos relacionamentos cibernéticos. Conheceu várias mulhers no ICQ (ainda existe isso?). Aí vieram os chats e ele se esbaldou...

Resultado: conheceu uma jornalista mais velha q ele, bem bonitona. Desde o primeiro encontro, sexo selvagem Tão selvagem que depois de um mês juntos eles conseguiram incendiar o apartamento da moça! Juroooo por Deus que é verdade. Não estou inventado isso para tornar o relato mais interessante. Ela era meio "bicho grilo", adorava incensos e velas. Numa dessas noites de sexo selvagem eles aparentemente esqueceram uma vela acesa. Felizmente, ninguém se feriu. O seguro pagou pelas avarias, ela resolveu vender o apartamente pq achou que a energia alí não era boa (também, depois de quase morrer tostada, nem eu iria querer morar mais naquele lugar!)

Letícia (era esse o nome da moçoila) vendeu o apartamento e mudou-se com meu amigo para São Francisco Xavier. No meio do mato. Literalmente. Compraram um terreno com uma casinha modesta, que ficava a uns 4 quilômetros da cidade. Compraram um Jipe velho pra poder se locomover na estrada de terra que os levava ao cafofo do casal.

A história acaba assim: o advogado engravatado cedeu espaço a um bicho grilo cabeludo, que hoje vive de fazer luminárias de papel reciclado que vende na loja de artesanato da cidadezinha. Moram juntos até hoje, passados 7 anos, com seus cachorros, passarinho, no meio do mato.

O mais hilário: lá onde moram não tem telefone, muito menos internet. A tecnologia aInda não chegou até lá! Diz o casal que não sentem falta, a net já fez por eles o que tinha que fazer...

Não acreditam na história??? Façam uma visitinha a ele. Ahhh...em tempo: as luminárias são lindíssimas...

Vista de São Francisco Xavier



2 comentários:

Anônimo disse...

Q história fantástica Cristine! Essa vida é incrível msm. Seria sensacional se todos pudessem encontrar sua felicidade assim como este casal. É por estas e outras q todo mundo deve fazer tdo aquilo q gosta e acha q é melhor p si, desde q ñ passe por cima de outrem.
Sensacional este post, Cristine! bjo,

Guto - Juiz de Fora/MG
gutomineirojf@hotmail.com

roberto_pacman@hotmail.com disse...

É sério mesmo?
Vou dar um pulinho lá.
Estou em SJC e é pertinho daqui...